“12 maneiras de jogar energia fora” – Transposição para a visão cética

Aquele que não assume a responsabilidade por suas venturas e desventuras sempre estará vulnerável às energias ao seu redor.

– Vera Caballero (Professora de Yoga, numeróloga, terapeuta floral, Reiki master, massoterapeuta, ministra cursos e palestras sobre bioenergias)

 

Este texto é uma “transposição” do seguinte post: http://corpoinconsciencia.wordpress.com/2013/08/03/12-maneiras-de-jogar-energia-fora/, escrito por Vera Caballero, e pretende apresentar uma abordagem cética às mesmas questões, alterando apenas algumas palavras, ponto a ponto.

Recomendo a leitura do post citado, mas fiz o possível para reproduzir o post original na íntegra, mantendo as palavras substituídas com texto riscado (uma forma pouco elegante, mas que foi escolhida por ser a mais prática neste editor de texto). O texto original está em itálico, para facilitar o uso das citações sem perturbar demais o corpo do texto, e as palavras que sugiro como alternativa estão em negrito.

 

ENERGIA

Antes de mais nada, é preciso falar brevemente sobre o significado de “energia” conforme usado pela autora, que é diferente do significado usado na física. Quando ela diz que um indivíduo “estará vulnerável às energias ao seu redor”, não se refere à energia potencial ou cinética do balde que pode cair na cabeça de quem passa por baixo de uma escada. Nem tampouco à energia radiante que é dispersada pelo urânio ou plutônio em um acidente nuclear. Este ponto é a base desta análise e das “transposições” como um todo: não adianta tentar interpretar o texto do ponto de vista estritamente científico e dizer que a autora está errada ao usar palavras como “energia” para falar de emoções e relações humanas. O que precisamos é entender até que ponto os termos científicos podem nos ajudar a descrever as mesmas situações, porque não há dúvida de que elas acontecem e fazem parte das nossas vidas. Em algumas situações, substituí referências à “energia” por palavras que me parecem descrever mais precisamente a mesma coisa, dentro do contexto. Em outros, apenas interpreto como “energia física” (investimento de ATP e substâncias que funcionam como combustível para que as células desempenhem sua função).

 

1. A FALTA DE CUIDADO COM O CORPO E HÁBITOS

Descanso, boa alimentação, hábitos saudáveis, exercícios físicos e o lazer sempre são colocados em segundo plano. A correria da vida diária e a competitividade das grandes cidades faz com que acabemos negligenciando aspectos básicos para a manutenção de nossa saúde energética física e emocional. Quando a saúde física está comprometida, a aura se ressente, ficando menor e menos brilhante, comprometendo nosso sistema de defesa energético falhamos em produzir todos os recursos de que nossos corpos precisam para funcionar bem, incluindo a produção de hormônios, que está diretamente ligada ao humor e às funções essenciais do corpo. Os exercícios físicos são sempre úteis por nos ajudar a movimentar e eliminar as energias estáticas recuperar o equilíbrio hormonal e emocional, pois têm como resultado a produção de endorfinas reguladoras do sistema. As pessoas que são dependentes químicos apresentam verdadeiros rombos na aura severas disfunções na produção e no recolhimento das endorfinas, e isso as predispõe a toda sorte de assédios espirituais e vampirismo energético desequilíbrios físicos e emocionais. Vale ressaltar que algumas substâncias químicas têm a função de re-equilibrar o sistema, como a paroxetina, por exemplo. Também é possível tornar-se dependente dessas substâncias e, para lidar com este tipo de complexidade, um post sobre drogadição precisa de um espaço separado.

 

2. PENSAMENTOS OBSESSIVOS

Pensar gasta energia (neste caso específico, a palavra “energia” poderia ser usada na visão cética, significando o investimento de ATP nos processos mentais: o cérebro consome aproximadamente 20% de todo ATP produzido pelo corpo) e todos nós sabemos disso: ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho corporal. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos e esse é, aliás, um mal do homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando muita energia. Pensamos tanto que não sobra vitalidade para tomar uma atitude concreta e, o pior, alimentamos ainda mais o conflito.

Devemos não só estar atentos ao volume de pensamentos, mas também à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados nos recarregam, ao passo que a negatividade e pessimismo consomem energia e atraem mais negatividade para nossas vidas nos mantém presos em círculos viciosos que pouco contribuem para nossa qualidade de vida. Observe: pensando você conseguiu resolver o problema? Quase sempre a resposta é ‘não’. Então, mude de atitude Se o problema for do tipo que pode ser resolvido com grandes doses de atenção sobre ele, faça turnos de atenção dedicada, pois o foco ininterrupto mais atrapalha do que ajuda.

Relaxe, use uma música suave e entregue o problema para o universo resolver permita-se pensar em outros assuntos por algum tempo. Mesmo que isso aconteça apenas por alguns poucos minutos. Durante esse tempo sua mente estará descansando. Quando a mente silencia, permite que sua intuição, seu anjo da guarda, Deus, Eu Superior ou o que você acreditar, converse com você e lhe traga inspiração e criatividade e isso se reverte em mais energia os neurônios que estavam sendo usados realmente descansem, abrindo a possibilidade de usá-los novamente com mais sucesso. Isso acontece porque o cérebro libera adenosina sempre que neurotransmissores são usados. Quanto mais intensa é a atividade de um determinado local no cérebro, mais adenosina se acumula em volta dos neurônios e isso faz com que a atividade local seja refreada. Ou seja, quanto mais adenosina, menos efetiva fica a troca de neurotransmissores naquela região. Mudar de atividade momentaneamente é o suficiente para que a adenosina seja eliminada e você possa voltar com força total. Os meus alunos têm semanalmente 2 horas para fazer isso, o resultado é muito bom. Que privilégio, não?!!!!

 

3. SENTIMENTOS TÓXICOS

Se você sofre um choque emocional ou sente uma raiva intensa, pode estar certo, até o final do dia estará simplesmente esgotado energeticamente. Juntamente com a raiva você queimou altas doses de sua energia pessoal. Imagine agora um ser que nutre ressentimentos e mágoas, às vezes durante anos seguidos. De onde você acha que vem o combustível para alimentar esses sentimentos tão densos? Não é à toa que muitas dessas pessoas ficam estagnadas e não são prósperas, afinal, a energia que alimenta o prazer, o sucesso e a felicidade está sendo gasta na manutenção de sentimentos negativos (é verdade também do ponto de vista cético: a energia do sistema é limitada e o foco em pensamentos negativos ocupa o espaço que poderia produzir os positivos. Vale apenas ressaltar que neste contexto o cético lê “energia” como “energia física”, o combustível de todo o sistema corporal, a produção de enzimas e hormônios. Um corpo equilibrado contribui muito para um estado emocional equilibrado. Do ponto de vista cético, dizer que gastamos energia demais em algo é o mesmo que dizer que poderíamos estar focando em outras atividades, que seriam mais satisfatórias para o indivíduo. De agora em diante, sempre que esta palavra puder ser usada no sentido cético, significando recursos bioquímicos, não farei comentários).

Medo gasta energia, culpa também, já a ansiedade descompassa a vida. Por outro lado, os sentimentos positivos e elevados, como a amizade, o amor, a confiança, o desprendimento, a solidariedade, a auto-estima e principalmente a alegria e bom humor recarregam focalizam nossa energia em padrões física e emocionalmente sustentáveis e nos dão força para empreender projetos e superar obstáculos.

 

4. FUGIR DO PRESENTE

Onde eu coloco a minha atenção aí coloco a minha energia. É tendência freqüente do ser humano achar que no passado as coisas eram mais fáceis: ‘bons tempos aqueles!”. Tanto os saudosistas, que se apegam aos prazeres do passado, quanto aqueles que não conseguem esquecer os traumas e desatinos de tempos atrás, estão colocando suas energias no passado.

Por outro lado temos os sonhadores ou aqueles que vivem numa eterna expectativa do futuro, depositando nele sua felicidade e realização. Viver no tempo passado ou futuro faz com que sobre pouca ou nenhuma energia no tempo presente. E é somente no presente que você constrói sua vida. O passado e o futuro dependem unicamente do seu momento presente. Aquele que vive sempre no tempo errado não tem em mãos uma dose de energia suficiente para se proteger das energias e locais densos não consegue se relacionar com o único momento disponível para atuação, o agora, e deixa passar as oportunidades de realizar seus sonhos e desejos no mundo real.

 

5. FALTA DE PERDÃO

Perdoar significa soltar. Soltar ressentimentos, mágoas, culpas. Soltar o que aconteceu e olhar somente para a frente e viver o presente. Quanto mais perdoamos, menos bagagem interior carregamos e gastamos menos energia alimentando feridas do passado. Mais do que uma regra religiosa, o perdão é uma atitude inteligente daquele que busca viver bem e quer seus caminhos livres e abertos para a felicidade. Aquele que não sabe perdoar os outros e a si mesmo, fica ‘energeticamente obeso’, carregando fardos do passado e isso requer muita energia (nada específico a comentar aqui. A visão cética não deve ser chata a ponto de descartar metáforas como ‘energeticamente obeso’ quando elas são colocadas em um sentido não-místico).

 

6. MENTIRA PESSOAL

Todos nós mentimos ao longo de nossas vidas e sabemos quanta energia é gasta posteriormente para sustentar a mentira e, quase sempre, acabamos sendo pegos. Imagine agora quando ‘você é a mentira’. Quanta energia gastamos para sustentar caras, poses, desempenhos que não são autênticos!!! Somos educados para desempenhar papéis e não para sermos nós mesmos. A mocinha boazinha, o machão, a vítima, a mãe extremosa, o corajoso, o pai enérgico, a mártir, o intelectual, a lista é enorme. Quando somos nós mesmos a vida flui e tudo acontece com pouquíssimo esforço. O mesmo não é válido quando queremos desempenhar um papel que não é o nosso .

 

7. VIVER A VIDA DO OUTRO

Ninguém vive só, através dos relacionamentos interpessoais evoluímos e nos realizamos. Mas é preciso ter noção de limites e saber amadurecer também nossa individualidade. Esse equilíbrio que traz senso de limite e respeito por si e pelo espaço do outro nos resguarda energeticamente e nos recarrega é a posição mais ética a se adotar, pois reconhece o direito dos outros de serem donos da própria vida e agirem de acordo com a própria consciência – algo que você também deseja para si. Quem cuida da vida do outro, sofrendo seus problemas e interferindo mais do que é recomendável, acaba não tendo energia para construir sua própria vida. O único prêmio, nesse caso, será a frustração. Quando interferimos na vida alheia, nos misturamos com o carma negativo do outro e trazemos isso para nossa vida.

 

8. BAGUNÇA E PROJETOS INACABADOS

A bagunça afeta de forma muito negativa as pessoas, causando confusão mental e emocional. Um truque bem legal para os períodos confusos é arrumar a casa, os armários, gavetas, a bolsa, os documentos e tudo o que mereça uma boa faxina. À medida em que ordenamos e limpamos os objetos, também colocamos em ordem a mente e o coração. Pode não resolver o problema, mas nos ajuda bastante e traz um grande alívio.

Outra forma bem eficiente de perder energia é não terminar tarefas. Todas as vezes, por exemplo, que você vê aquela blusa de tricô que não concluiu, ela lhe diz inconscientemente: “você não me terminou! Você não me terminou! E isso gasta uma energia tremenda! Ou você termina definitivamente a blusa ou livre-se dela e assuma que não vai terminá-la. O importante é tomar uma atitude.

O desenvolvimento do auto-conhecimento, da disciplina e da determinação farão com que você não invista em projetos que não serão concluídos e que apenas consumirão tempo e energia.

E lembre-se, bagunça e sujeira são ótimas moradas para energias densas e desarmoniosas (o cético simplesmente não é sensível a este tipo de afirmação e não necessita dela para apreciar o resto do texto. Para o cético, esta frase não significa nada além do que já foi dito acima e, portanto, parece apenas adicionar um tom “místico” a algo real, prejudicando a compreensão).

 

9. AFASTAMENTO DA NATUREZA

A Natureza é nossa maior fonte de alimento energético e, além de nutrir, também nos limpa das energias estáticas e desarmoniosas uma ótima fonte de equilíbrio emocional. O homem moderno, que habita e trabalha em locais muitas vezes doentios e desequilibrados, vê-se privado dessa fonte maravilhosa de energias tranquilidade.

A competitividade, o individualismo (exacerbado) e o estresse das grandes cidades agravam esse quadro e favorecem o vampirismo energético, onde todos sugam e são sugados em suas energias vitais as relações desequilibradas, onde todos perturbam e são perturbados, onde o respeito é escasso e o interesse pessoal rege sozinho a maioria das interações. Procure, sempre que possível, estar junto à Natureza. Você também pode trazê-la para dentro de sua casa ou local de trabalho. Além de um ótimo recurso decorativo, as plantas humanizam os ambientes, nos acalmam e absorvem as energias negativas e poluentes (é curioso pensar que as plantas humanizam os ambientes, em vez de “plantificá-los”, o que quer que isso signifique. Mas o sentido é que o ser humano é caracterizado pelo cuidar, e as plantas abrem essa oportunidade, além de refletirem o cuidado que recebem. O simples foco de atenção em cuidar de uma planta ou contemplá-la é uma forma de dedicar seu tempo a atividades emocionalmente satisfatórias).

 

10. PREGUIÇA, NEGLIGÊNCIA

E falta de objetivos na vida. Esse item não requer muitas explicações: negligência com a sua vida denota também negligência com seus dons suas habilidades e potenciais e, principalmente, com sua energia vital. Aquilo do que você não cuida, alguém vem e leva embora perde-se e acaba ficando inacessível (habilidades e potenciais não podem ser roubados por outros). O resultado: mais preguiça, moleza, sono….

 

11. FANATISMO

Passa um ventinho: “Ai meu Deus!!!! Tem energia ruim aqui!!!” Alguém olha para você: “Oh! Céus, ela está morrendo de inveja de mim!!!” Enfim, tudo é espírito ruim, tudo é energia do mal, tudo é coisa do outro mundo. Essas pessoas fanáticas e sugestionáveis também adoram seguir “mestres e gurus” e depositar neles a responsabilidade por seu destino e felicidade. É fácil, fácil manipular gente assim e não só em termos de energia pensamentos, mas também em relação à conta bancária! Aqui vale uma ressalva: o que permite alguém definir qual “ventinho” é fruto de “energias ruins”? Nada indica que haja “energias ruins” capazes de afetar a realidade, a menos através dos comportamentos de quem tem pensamentos destrutivos. Ou seja, é mesmo muito saudável desconfiar de que um “espírito” ou “energia do mal” é responsável por alguma coisa. Pessoas são responsáveis pela maioria das coisas que afetam as nossas vidas. As leis da natureza são responsáveis pelo resto. Do ponto de vista cético, não há espaço para influências sobrenaturais, os fenômenos podem ser explicados sem recorrer a este tipo de coisa. E quando não podem, também não há razão para pensar que haja influências paranormais, já que elas violariam as leis que conhecemos da natureza, e estas leis conseguem prever exatamente o funcionamento da realidade. Por exemplo, se um espírito pudesse fazer diferença na matéria, não seria possível estabelecer as leis do movimento (Newton, 1687), elas estariam sempre sujeitas aos caprichos de alguma entidade sobrenatural. No entanto, as leis funcionam com uma precisão que não deixa margens para a hipótese de outras influências não contabilizadas. Em um outro post, pretendo abordar com mais calma a questão das supostas influências psíquicas de seres sobrenaturais.

 

12. FALTA DE ACEITAÇÃO

Pessoas revoltadas com a vida e consigo mesmas, que não aceitam suas vidas como elas são, que rejeitam e fazem pouco caso daquilo que têm. Esses indivíduos vivem em constante conflito e fora do seu eixo. E, por não valorizarem e não tomarem posse dos seus tesouros – porque todos nós temos dádivas – são facilmente ‘roubáveis’.
O importante é aprender a aceitar e agradecer tudo o que temos (não confundir com acomodação). Quando você agradece e aceita fica em estado vibracional tão positivo uma postura emocional tão positiva que a intuição e a criatividade são despertadas. Surgem, então, as possibilidades de transformar a vida para melhor!

————————————————————————————————————————————-

 

Por hoje é só, pessoal! Esta foi a transposição do artigo da Vera Caballero para termos céticos. Está longe de perfeita, mas busquei ser econômico para não ficar chato demais. Que esta seja a primeira transposição de muitas! Agradeço à Vera pelo texto bem escrito e informativo.